Número total de visualizações de página

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Palavra de Toque um poema de Sterea lido por: Vóny Ferreira

 
Fui-te deixando pistas,
em palavras derramadas,
uma a uma,
nos concilios suspensos
das tuas indiferenças.
De todas elas,
desdenhavas o peso…
mal-calculavas o valor,
e assim as ias atirando,
como pedras imponderáveis,
ao charco estagnado do teu desprezo.
Os teus gestos,
pouco a pouco,
mecanizaram a rotina,
desvalorizaram o poder do toque,
traíram o reconhecimento
e banalizaram a resposta.
Quando eu te atirei a palavra
-a palavra de toque-
o ritmo que havias imposto à reacção,
não te permitiu reconhecê-la.
E lançaste-a borda fora de nós mesmos,
em total desconsideração de sentido.
Só quando me viste emergir com ela,
renascer dela
-da palavra de toque-
me choraste a perdição
- e te afundaste.


Sterea

Sem comentários: