Número total de visualizações de página

sábado, 9 de dezembro de 2017

MAR




os muros de espuma desse mar

aquietam-se no silêncio da lua
detonam a fome dos peixes
vão cintando apressadamente
as mandíbulas ciclónicas do vento


como bênção prostitui-se a saudade
molda-se como tributo a ansiedade
aos deuses das noites de amnésia
é enfim nessa ínfima necessidade
que reapareces como brado no fundo de mim
( Vóny Ferreira – mibsf )
m.ivone b.s.ferreira _ 2017
nota... este poema faz parte do novo livro "COMPLACÊNCIAS"
(a editar)  

Sem comentários: