Número total de visualizações de página

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

SOU O QUE SOU… ( Vóny Ferreira)





Não tentes adivinhar o que me vai na alma, desiste… porque seria mais fácil voares como uma águia livre e altiva, ou cavalgar assimetricamente com pernas de pau!
Tal como o meu espírito irrequieto e imprevisível, vão nascendo os dias, em cada dia, repetidamente, sem que questionemos a razão de tal fenómeno. 
Eu sou a mistura explosiva que há entre o fogo e o vento, para logo depois me transformar em água num apaziguamento quase desconcertante.
Eu sou o que sou, sem saber ao certo as razões porque choro de emoção como a mesma facilidade com que lanço uma gargalhada efusiva como se fosse uma criança eufórica. Em mim o meio-termo é o inicio do fim e o fim o começo de uma nova etapa, entendes?
Por isso., peço-te, não tentes classificar-me como sou e quem sou, não… pois cometerás um erro hediondo e crasso. 
Muitas vezes ente o riso efusivo e irónico, persiste como uma lapa agarrada à rocha, teimosamente, a minha tristeza cronica, feita de abismos e desertos. Mas é com a mesma determinação, igualmente, que os tento afugentar da minha vida, qual vento visível, apenas, aos olhos de quem nada vendo tudo sente e presente.
Aceita-me como sou ou então odeia-me para sempre. Não quero restos porque odeio o indefinido!
Peço-te, como quem reza sem devoção:
Não tentes definir-me…!
Eu sou muito mais do que alguma vez saberei descrever e ainda mais do que tu alcanças. 

Vóny Ferreira ******2014
M.Ivone B.S.Ferreira

Sem comentários: